Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 24 DE JULHO DE 2017

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  23/07/2017   Produtores de etanol dizem que alta de impostos reduz competitividade sobre gasolina - Levantamento do G1 com preços da semana passada mo...     23/07/2017   Portos movimentam 420 mi de toneladas entre janeiro e maio - Os portos brasileiros movimentaram 419,4 milhões de toneladas entre janeiro ...     23/07/2017   Alta maior do PIS/Cofins na gasolina protege setor de etanol, diz JOB Economia - A elevação na alíquota de PIS/Cofins incidente sobre a g...     23/07/2017   QGEP reduz custos e confirma 1º óleo do campo de Atlanta para início de 2018 - A Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) assinou um a...     23/07/2017   Governo quer testar contratos mais curtos em leilões de energia, diz EPE - O governo pretende reduzir a duração dos contratos de até 30 a...     23/07/2017   Carga de energia do sistema brasileiro deve ter alta de 0,6% em julho, diz ONS - A carga de energia do sistema interligado do Brasil deve...     23/07/2017   Temer diz que “população vai compreender” aumento de impostos sobre combustíveis - O presidente Michel Temer afirmou que a população vai ...     23/07/2017   Alta de PIS/Cofins para combustíveis não viabiliza consumo de etanol, diz Unica - A decisão do governo em elevar as alíquotas de PIS/Cofi...     23/07/2017   Finanças aprova isenção de imposto sobre importação de equipamentos de energia solar - A Comissão de Finanças e Tributação aprovou o Proj...     23/07/2017   Subsea 7 renova contrato de três PLSVs com a Petrobras - A Subsea 7 anunciou a prorrogação dos contratos para três embarcações do tipo PL...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

20/04/2017

Soluções para a dívida com a União e o polo naval

Editorial

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

Ir a Brasília é uma rotina do governador José Ivo Sartori (PMDB) nos últimos meses. É que o enviesado pacto federativo suga para Brasília a maior parte dos recursos, pouco sobrando para estados e municípios.
 
No entanto, isso não é novidade para os gaúchos, pois a penúria financeira vem de décadas.
 
Vivemos de empréstimos e outras soluções transitórias. Inclusive, a atual e quase impagável dívida com a União foi feita para que dinheiro federal irrigasse as contas estaduais, lá atrás, permitindo que o Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) não fosse vendido.
 
Na viagem desta semana, o governador incluiu na sua pauta pela dívida outro desafio do Estado: a reativação do polo naval e a sua importância à economia estadual.
 
Sartori solicitou ao governo federal que abra um espaço para o diálogo e a busca de soluções para que a atividade naval não seja descaracterizada, e o Estado não seja prejudicado social e economicamente.
 
A expectativa é de que seja criado um grupo de trabalho com participação da Petrobras. Assunto a ser estudado, uma vez que a Petrobras declarou que não tem interesse na conclusão da P-71, pois, segundo o seu presidente, Pedro Parente, não terá, quando pronta, a menor utilidade.
 
A boa nova foi a aprovação - após quase um mês de adiamentos - do texto-base do projeto de lei que prevê o Regime de Recuperação Fiscal dos estados em crise financeira.
 
Dará alívio ao Rio Grande do Sul de R$ 9 bilhões por três anos. Endividado além do limite legal, o Estado poderá normalizar os vencimentos do funcionalismo, hoje parcelados.
 
Mas, para completar o alívio, segundo o governo estadual, a Assembleia Legislativa deverá aprovar os projetos que lá estão, muitos sofrendo restrições. Poderão aderir ao Regime de Recuperação Fiscal aqueles estados que comprovarem estar em crise nas contas.
 
A expectativa é que o programa possa atender a Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Para ter acesso ao benefício, os estados serão obrigados a cumprir uma série de contrapartidas de ajuste fiscal.
 
As principais são autorizar a privatização de empresas estatais de qualquer setor, desde que com aval do Ministério da Fazenda; elevar a alíquota de contribuição previdenciária dos servidores para, no mínimo, 14%; reduzir incentivos ou benefícios tributários em, no mínimo, 10% ao ano; rever o regime jurídico dos servidores estaduais para suprimir benefícios ou vantagens não previstos no regime jurídico único dos servidores da União.
 
O Rio Grande do Sul já dispõe de uma Lei de Responsabilidade Fiscal estadual, não precisará atender a essa contrapartida.
 
Os estados ficarão proibidos de conceder reajuste ou adequação de salários a servidores.
 
Não criarão cargos ou funções que impliquem em aumento de despesa, além de outras condicionantes. O Rio Grande do Sul vive um estresse pelo caos de suas finanças.
 
E deve resolver seus problemas em meio aos atos de corrupção quase ampla, geral e irrestrita que são divulgados, em minúcias, diariamente.
 
O que tem enojado os brasileiros é a desfaçatez e sorrisos quase irônicos com que os denunciantes falam.
 
Não ruborizam, não pedem desculpas, não se arrependem, e falam de milhões de dólares como algo simples.
 
Pilharam os cofres públicos e descrevem, cândida e minuciosamente, o conluio grotesco entre corruptores e corrompidos, ambos com o mesmo grau de culpa.
 
Enquanto isso, só um novo pacto federativo dará um horizonte financeiro para o governo gaúcho. Que assim seja.

 

Por Jornal do Comércio - RS

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

Ondulação vertical: surfando nessa onda

Por que um País tão fechado?

Déficits de eficiência

Força do querer

Brinde ao empresariado

Produtores de etanol dizem que alta de impostos reduz competitividade sobre gasolina

Portos movimentam 420 mi de toneladas entre janeiro e maio

Alta maior do PIS/Cofins na gasolina protege setor de etanol, diz JOB Economia

QGEP reduz custos e confirma 1º óleo do campo de Atlanta para início de 2018

Governo quer testar contratos mais curtos em leilões de energia, diz EPE

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística